Equipe, os papéis de cada um

Qual o papel da Obstetriz?

Obstetrizes são profissionais formados pela faculdade de Obstetrícia ou que se formaram em Enfermagem e realizaram a pós-graduação em obstetrícia (enfermeiros obstétricos).
Esses profissionais estão aptos à atender partos normais de baixo risco em CPN (Centros de Parto Normal), Casas de Parto, Domiciliares ou ainda junto à médicos obstetras no ambiente hospitalar.
Essa configuração de equipe, formada por obstetriz + médico,  proporciona à todos maior tranquilidade, já que por estar sendo assistida por uma obstetriz responsável pelo monitoramento do seu bem estar, bem como o do bebê, manterá contato com o médico responsável para que este seja imediatamente acionado em uma intercorrência, na proximidade do nascimento ou mesmo na iminência da realização de alguma intervenção.

A obstetriz pode acompanhar a gestante desde o domicílio, estando com ela na admissão hospitalar até o nascimento, sendo para a parturiente à referência de conforto e segurança. Ao dar entrada no hospital, um ambiente hostil, essa referência se torna fundamental.

Cabe à obstetriz a realização de procedimentos como o exame de toque, a ausculta dos batimentos cardíacos fetais, a percepção de intercorrências que necessitem intervenção, a observação de sinais e sintomas.

O papel do Médico Obstetra Humanizado

Embora obstetrizes sejam capacitadas para a assistência ao parto normal de baixo risco, os protocolos hospitalares privados exigem a presença de um médico. Médicos plantonistas não necessariamente irão atender o Plano de Parto apresentado pela gestante. Por isso se torna indispensável contar com um médico envolvido com a causa, que saberá respeitar as solicitações feitas pelo casal e será sensato em realizar intervenções. Além do fato, claro, do vínculo formado durante o pré-natal ser um ponto chave na confiança e divisão de responsabilidades. O médico é o responsável pela prescrição de medicamentos e ocitócitos, pela realização de intervenções como a amniotomia (ruptura artificial da bolsa - esse procedimento também pode ser realizado por obstetrizes), fórceps ou mesmo a indicação e realização de uma cirurgia cesariana, quaisquer que sejam esses procedimentos, somente se  julgar estritamente necessários. Para partos de alto risco, a assistência deve ser obrigatoriamente acompanhada por médicos.

O papel do Neonatologista

Neonatologista é o médico pediatra que acompanha o nascimento do bebê até 28 dias. Ele pode, ainda, continuar como o pediatra da criança posteriormente caso também atenda em consultório. Todo nascimento hospitalar é assistido por um neonatologista, que por sua vez irá intervir quando necessário no cuidado ao recém-nascido. Independentemente da via de parto, esse profissional pode humanizar o nascimento já que é "dele" a responsabilidade pelo rebento. Alguns protocolos hospitalares são contrários à prática dos neonatologistas humanizados (como aspiração nasogástrica, passagem de sonda retal, colírio de nitrato de prata nos olhos...) e portanto, os neonatologistas plantonistas podem acabar sendo limitados a seguir o plano de nascimento proposto pelo casal, posto que devem seguir o protocolo hospitalar. A assistência de um neonatologista particular com quem se teve contato no pré-natal e a quem deve ser entregue e discutido o plano de nascimento, garantirá que o bebê seja privado de qualquer procedimento desnecessário, seja tratado com tranquilidade e que os seus pais tenham a devida atenção para o esclarecimento de suas dúvidas. Um plantonista precisa atender sala de parto e voltar rapidamente à UTI neonatal para concluir as tarefas de seu plantão. É compreensível que não possa estar tão disponível para aguardar um período grande de contato entre o bebê e a mãe antes de realizar os exames de rotina, os quais precisa relatar no prontuário. Esse profissional contratado para acompanhá-los estará ali exclusivamente para oferecer essa atenção e, por ser uma questão de princípios, não intervirão de forma a atrapalhar o momento da família. Respeitarão o contato, a amamentação, a importância do silêncio, da calma e do toque antes de qualquer exame físico.

O papel da Doula

A doula é a figura de maior contato com a parturiente. Embora essa profissional não tenha papéis técnicos, sua atuação é fundamental no processo de parturição. Algumas doulas oferecem um suporte intensivo desde a gestação até o pós-parto. A escolha da Doula  se dá por afinidade: você conhece uma doula e se apaixona por ela, pronto!
A palavra vem do grego e significa a mulher que serve.
Antigamente as comadres faziam esse papel, atualmente você escolhe uma doula para estar contigo, para desabafar, para ajudá-la a traçar um plano de parto, para ajudá-la a escolher a equipe e, quando a doula também trabalhar com outras terapias, para mesclar o atendimento holístico ao atendimento médico. Massagens, música, movimentos, conversa e aquele copo d'água que você estava precisando são algumas das condutas que a doula exerce durante sua assistência. Ela irá acompanhá-la desde as primeiras contrações até o nascimento do bebê (desde que o hospital permita a sua entrada - o que deve ser previsto antes do dia "D"). No pós-parto ela poderá auxiliá-la com as dúvidas comuns sobre amamentação e cuidados com o bebê. E se desejar um acolhimento ainda maior nesse período, pode contar também com uma Doula Pós-parto!

voltar

 
Ana Paula Garbulho Obstetriz & Consultoria em Amamentação


GAMA - Grupo de Apoio à Maternidade Ativa
Rua Natingui, 380 - Vila Madalena - São Paulo - SP
(11) 2506-7090


agarbulho@gmail.com

(11) 97201 0272

Commadre
Rua Terra Roxa, 160 - Tatuapé - SP
(11) 2579-0427

      © 2013 . ANA GARBULHO